16/02/2011

Um mundo de descobertas

Projeto Ler e Pensar – Na Escola Municipal Santa Maria, em Fazenda Rio Grande, alunos conhecem mais sobre si mesmos, sobre a comunidade e sobre o mundo da comunicação utilizando a Gazeta do Povo

Inspirada pelo curso Leitura Significativa e Contextualizada, ministrado em abril pela equipe do Ler e Pensar, a professora Simone Tatiane dos Santos Almeida, da Escola Municipal Santa Maria, em Fazenda Rio Grande, conseguiu o que muitos professores julgam ser impossível: estimular a criticidade e a auto-estima, promovendo a comparação editorial e compreensão da função social do jornal. “Este é o meu primeiro ano no Ler e Pensar e eu não imaginava o potencial pedagógico que o jornal tem. Foi um início muito bom”, afirma a professora Simone.
 
Ainda receosa sobre a aplicação do jornal em sala de aula e atuando com uma turma de 4ª série, Simone começou as atividades promovendo com os alunos a leitura de uma reportagem em um jornal local. “Mostrei uma notícia sobre os grandes alagamentos em vários bairros da cidade e fiz com eles uma leitura aprofundada”, conta. A seguir, a professora apresentou uma notícia semelhante publicada na Gazeta do Povo. A lembrança que ela guarda da leitura comparativa dos jornais é muito interessante. “Me surpreendi com a reação dos alunos. Eles não imaginavam que um jornal grande como a Gazeta do Povo pudesse dar atenção à região onde eles moram. A leitura da notícia realmente mexeu com a auto-estima dos alunos e mostrou o que é notícia e qual a função social do jornal”, relembra Simone.
 
Com a atenção dos alunos conquistada, a professora conseguiu desenvolver outras atividades. “Após as leituras, proporcionei uma discussão sobre as notícias para que pudéssemos chegar a uma possível resposta para as situações expostas nos jornais”, conta. Uma resposta foi encontrada no lixo, jogado pelas ruas. Para provar a tese de que o lixo nas ruas é um dos problemas que ocasiona os alagamentos, a professora fez com os alunos uma observação da realidade local e coletou alguns materiais recicláveis espalhados pelas ruas. “Foi muito interessante a maneira como os alunos reagiram de maneira crítica a toda a informação. Eles realmente compreenderam o problema e viram que parte da solução estava em suas mãos”, diz. A professora conta que a sensibilização também atingiu os pais. “Em algumas ruas próximas à escola, não passa o caminhão do lixo. Os alunos, então, sensibilizaram seus pais para que a disponibilização dos materiais, já devidamente selecionados, fosse feita em locais de mais fácil acesso para os coletores, melhorando o descarte desse material”, conta.
 
Após a coleta dos materiais, os alunos produziram um mural com materiais recicláveis, relacionando as notícias com seu cotidiano. A seguir, a professora produziu com seus alunos um texto registrando na forma escrita os problemas ambientais e sociais que discutiram. “Os alunos participaram com consciência das situações, demonstrando o quanto ampliaram seus conhecimentos. Foi muito gratificante ver o interesse deles e o aprendizado demonstrado”, conta.
 
* Esta notícia foi publicada na edição nº 150 do Boletim de Leitura Orientada (BOLO), jornal quinzenal com sugestões para o uso pedagógico do jornal, direcionado aos professores participantes do projeto Ler e Pensar.
 
 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.