29/09/2010

Um jornal maior do que os alunos

Recurso lúdico ajudou professora de São José dos Pinhais a despertar o interesse dos alunos pela leitura, transformando a relação com o jornal

Arquivo Ler e Pensar / IRPC                  
 
Uma dúvida rondou a cabeça da professora Ana Paula Novak Ramos Quirino: como trabalhar o jornal em sala de aula e fazer dessa atividade um momento de aprendizado prazeroso para os alunos?
 
Para saber se os alunos já tinham essa resposta, a professora resolveu perguntar quais gostavam de ler jornal. A surpresa veio no resultado: apenas 15% dos estudantes se interessavam pela leitura. O desafio era grande, mas não a desanimou. “Perguntei o porquê daquela falta de interesse pelo jornal e eles me disseram que não gostavam dos textos, que eram grandes e chatos”, lembra.
 
Como leitora de jornal, a professora Ana Paula não concordou com os alunos e decidiu encarar o desafio de provar que o jornal tinha sim muitas notícias interessantes e do agrado dos estudantes. Para isso, lançou mão de um recurso lúdico. “Pensei em montar algo grande, porque chama a atenção e é mais gostoso de fazer pelos alunos”, explica. O desafio lançado foi montar um grande jornal, maior do que o convencional, apenas com informações selecionadas pelos alunos.
 
“Comecei apresentando tudo o que tinha no jornal, sua estrutura, porque muitos alunos não tinham acesso a esse veículo de comunicação”, lembra. A seguir a professora conta que distribuiu um jornal para os alunos e pediu para que eles lessem as notícias, selecionando as que chamavam sua atenção. “Pedi para que cada aluno apresentasse aos colegas o texto que mais o agradou, argumentando a escolha”, explica.
 
Oralidade e trabalho em grupo
 
O próximo passo foi dividir a turma em grupos e pedir para que selecionassem a notícia mais interessante para o grupo – apenas uma, sendo necessário justificar a escolha perante a turma. “Desenvolvi a oralidade e o trabalho em grupo, porque eles tinham que interagir e se respeitar para chegar a um consenso, além de estimular a leitura, porque todos tinham que ler a notícia do colega”, valoriza.
 
Foi assim que “O Jornal Gigante” começou a ganhar corpo com os textos selecionados pelos grupos. “Recortando e montando o jornal que era maior do que muitos alunos, percebi que o interesse pela leitura foi aumentando cada vez mais. Eles se aglomeravam para ler e discutiam o que era apresentado”, lembra.
 
Com o jornal pronto, os alunos se envolveram em outras atividades, como a interpretação das notícias, produção de textos, invenção e resolução de cruzadinhas, desenhos, gráficos, entre outras atividades propostas a partir das informações presentes no grande jornal. “Acredito que o principal resultado dessa atividade foi despertar nos alunos o gosto e o interesse pela leitura, porque o retorno que recebi deles foi ótimo”, explica Ana Paula.
 
A diretora Maria de Lourdes Santos Tavares concorda com a professora. “Toda a escola se interessou pelo projeto que realmente envolveu os alunos trazendo ótimos resultados pedagógicos”, avalia. “O jornal tem de tudo e dá para aprender até com as piadas. Depois do Jornal Gigante muita gente começou a gostar de ler. Espero que não parem de usar a Gazeta nas aulas”, defende a aluna Sabrina Godói Pereira, de 9 anos, que participou da atividade em 2009.
 

* Esta notícia foi publicada na edição nº 140 do Boletim de Leitura Orientada (BOLO), jornal quinzenal com sugestões para o uso pedagógico do jornal, direcionado aos professores participantes do projeto Ler e Pensar,

 

 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.