14/10/2010

Projeto Serviços e Cidadania anuncia primeiro trabalho finalizado

Elaborado pela Sorttie Soluções Criativas, o site institucional solicitado pela Associação das Abelhinhas Santa Rita de Cássia foi lançado ontem, no Dia das Crianças

 
O projeto Serviços e Cidadania, canal desenvolvido pelo Instituto RPC para contribuir para a sustentabilidade das entidades sociais paranaenses, anunciou nesta semana a finalização do primeiro trabalho envolvendo uma ONG e uma empresa parceira. Trata-se do site institucional requisitado pela Associação das Abelhinhas Santa Rita de Cássia, instituição que desde 1962 presta assistência social à população da região do Hauer, em Curitiba.
 
O portal do Centro de Educação Infantil Colmeia’s, mantido pela Associação, foi elaborado pela empresa Sorttie Soluções Criativas e lançado oficialmente ontem, em comemoração pelo Dia das Crianças. Será um espaço para a integração com a comunidade, de mídia-educação, no qual a própria rede de ensino poderá divulgar o seu trabalho – um verdadeiro marco na história da Associação, que ainda não tinha um veículo próprio de comunicação em massa.
 
É o que garante Cátia Jede, diretora da escola: “Foi uma grata surpresa. A gente fica meio desconfiada, porque já vieram várias pessoas aqui que prometeram nos ajudar, mas as coisas nunca saíram do discurso. Agora estamos vendo acontecer e isso é muito bom”, comemora.
 
A ideia, segundo ela, é atualizar o site com freqüência. Para isso, será preciso treinar pessoas que possam utilizar a plataforma – que apesar de relativamente simples em comparação com outros sites, configura-se algo desconhecido para a equipe da Associação. “No começo, o difícil vai ser trabalhar com todas as ferramentas. Eu não conhecia, vai ser uma dificuldade, mas se eu ficar esperando vir tudo na minha mão, não faço nada. Vai depender de a gente ir atrás, pesquisar, mexer”, conta Cátia.
 
Neste sentido, a participação da jornalista Juliana Cecatto, sócia-diretora da Sorttie, foi fundamental. Afinal, não bastava apenas desenvolver um site, mas também, pensar na aplicabilidade e continuidade do trabalho pela equipe da ONG, independente da parceria. “Nosso objetivo sempre foi entregar uma ferramenta e não amarrar o cliente”, diz Juliana.
 
Parceria inspiradora
 
O conceito utilizado pela Sorttie foi o da produtividade e da inspiração – e não o da estagnação e dependência. “Precisamos ensinar a pescar: brinque com isso, faça, descubra. Fui dando dicas, sugestões. Montamos uma estrutura para que eles mesmo pudessem alimentar o site. E deu certo: tanto que na hora em que eu estava ensinando, a Cátia já veio com um post pronto”, lembra ela. 
 
Para Rafael Finatti, gestor do projeto Serviços e Cidadania, é justamente esse o objetivo da proposta. “De nada adianta uma rede que faça as ONGs ainda mais dependentes. Se queremos contribuir para o desenvolvimento das boas iniciativas sociais paranaenses, precisamos possibilitar que as instituições possam caminhar sozinhas, com as próprias pernas, principalmente depois de finalizado o trabalho”, afirma ele.
 
Essa parece ter sido a intenção da Sorttie: “Eu quero mais é que a Associação das Abelhinhas se desenvolva, consiga parceiros, dê certo. Sei que isso vai acontecer, porque eles estão muito motivados”, garante Juliana, que já se colocou à disposição para trabalhar em outros projetos: “Ninguém está sozinho. Tudo aquilo que oferecemos, estamos aprendendo pra gente também. Não fosse essa triangulação, entre ONG, parceiro e o IRPC, ninguém tinha ganho nada”. A jornalista destacou ainda o papel do Instituto RPC, de dar oportunidade e visibilidade às instituições: “Quem não é visto não é lembrado”.
 
Balanço final
 
O site da CEI Colmeia’s foi resultado de um projeto planejado e executado na medida do calculado, dentro do prazo. Se para a empresa parceira o processo foi proveitoso, tanto mais para a ONG, principal beneficiária. Segundo Cátia Jede, o site já está sendo divulgado para a comunidade e todos estão muito contentes. “Conseguiremos ampliar nosso alcance, muito obrigado a todos pelo empenho e pelo apoio através do projeto”, agradeceu a diretora.
 
A visibilidade comentada tanto por Cátia, quanto por Juliana, parece ter sido alcançada. Ao longo da última semana, por causa do lançamento do site, várias foram as referências ao trabalho, em diferentes veículos de comunicação. Foram publicados artigos nos blogs Inconfidencial, da jornalista Katia Velo; Sala Aberta, da jornalista Talita Moretto; e no site da Ciranda (Central de Notícias dos Direitos da Infância e da Adolescência). Além disso, o portal da RPC também publicou uma reportagem da jornalista Fernanda Leitóles. Clique aqui para ler, na íntegra.
 
 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.