24/11/2010

Preparação para o vestibular e para a vida

Trabalhando com alunos de Ensino Médio, as professoras Elisabete de Oliveira e Marlene Hass, do Colégio Estadual Flávio Ferreira da Luz, em Curitiba, queriam uma maneira de prepará-los para o vestibular, sem esquecer da formação humana e cidadã. Encontrar

 
Dispostas a encontrar meios para promover uma aprendizagem prazerosa e significativa para alunos de Ensino Médio, as professoras Elisabete de Oliveira e Marlene Hass, do Colégio Estadual Flávio Ferreira da Luz, em Curitiba, puseram-se a procurar alternativas. “Sentia a necessidade de trabalhar mais temas da atualidade e torná-los mais críticos, preparando não apenas para o vestibular, como também para a vida”, conta a professora Marlene.
 
Na busca de meios que proporcionassem essa formação, encontraram o jornal Gazeta do Povo e fizeram assinaturas para a escola. “Mas faltava uma orientação sobre o trabalho que poderia ser desenvolvido”, lembra Marlene. “Foi então que procurei o Ler e Pensar e cadastramos a escola”, diz Elisabete.
 
Nas páginas do Boletim de Leitura Orientada (BOLO) as professoras encontraram não apenas orientações, como também ideias inspiradoras. “Vi que um dos trabalhos feitos foi o da Hemeroteca e pensei que essa seria uma boa alternativa para promover a leitura mais crítica do jornal, contribuindo para a formação dos alunos da turma, como também de outros estudantes, porque o material seria disponibilizado na biblioteca”, lembra Marlene. “A Hemeroteca é uma atividade muito completa do ponto de vista da Língua Portuguesa, porque trabalha os 4 conteúdos estruturantes, a leitura, escrita, oralidade e análise linguística”, defende Elisabete.
 
As professoras desenvolveram o mesmo trabalho, mas em turnos alternados (manhã e noite): leitura crítica do jornal pelos alunos, seguida de escolha de notícia de interesse; defesa da matéria perante a turma; produção de ficha catalográfica; e resenha da notícia. “Os alunos têm gostado muito dessa dinâmica. Eles debatem os assuntos e percebo que o senso crítico e argumentativo tem melhorado. As produções textuais também estão melhores e a aula tem sido mais dinâmica”, destaca Marlene. Já a professora Elisabete percebe que está estimulando o gosto pela leitura e pela informação. “Vejo que os alunos estão procurando se informar mais, transformando seu discurso, em algo mais rico, enquanto prática social”, explica Elisabete.
 
A Hemeroteca, antes de ir para a biblioteca, fica exposta em um mural, gerando curiosidade também entre os outros alunos. “Me surpreendi com o interesse e com o envolvimento dos alunos na produção do material e depois também foi uma feliz surpresa o interesse dos outros alunos pela Hemeroteca”, conta Marlene.
 
A pedagoga Ená de Carvalho comemora outro resultado da atividade. “Os professores do Colégio, em geral, assumiram a leitura como o principal instrumento a ser trabalhado com os alunos. A forma encontrada pelas professoras demonstra união entre os professores e mostra que, quando o objetivo é comum e compartilhado, o diálogo é fácil e os objetivos são alcançados de forma transformadora”, explica. “O jornal é uma fonte segura de conhecimento e os alunos estão sendo preparados para serem mais críticos e participativos da vida em sociedade”, finaliza Ená. 
 
* Esta notícia foi publicada na edição nº 144 do Boletim de Leitura Orientada (BOLO), jornal quinzenal com sugestões para o uso pedagógico do jornal, direcionado aos professores participantes do projeto Ler e Pensar.

 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.