19/12/2013

Parceria entre ISAE e IGRPCOM fecha ano com chave de ouro

Mais seis trabalhos foram concluídos pelos alunos do ISAE, pelo programa Uaná, para as ONGs do projeto Serviços e Cidadania

*Com informações do Blog do Programa Uaná

A parceria entre o ISAE e o Instituto GRPCOM, pelo projeto Serviços e Cidadania, segue gerando benefícios e ajudando nas estratégias de gestão de diversas instituições do Terceiro Setor. No último mês, foram finalizados serviços para seis instituições diferentes da região de Curitiba – um trabalho que é fruto da vocação socialmente responsável do ISAE/FGV, traduzida pela atuação do Programa Uaná de Voluntariado. “É a possibilidade que os nossos alunos têm de fazer a diferença não somente no mercado, mas também na sociedade”, disse o presidente do ISAE/FGV, Norman de Paula Arruda Filho, no último Fórum Uaná, no início de dezembro, que reconheceu os alunos e professores que participaram das atividades desenvolvidas ao longo do ano (só a parceria com o Instituto GRPCOM resultou em 14 diferentes assessorias em 2013).

Para as ONGs beneficiadas, a oportunidade de estar em contato com os alunos do ISAE tem se demonstrado sempre bastante interessante. “Conversar com pessoas preparadas foi muito positivo, precisávamos dessa experiência, foi muito bom estruturar nossas ideias”, afirma Marcel Quadros de Oliveira, do Projeto Social Camisa 10, que através do esporte contribui para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes em vulnerabilidade social das cidades de Curitiba e São José dos Pinhais. A ONG recebeu assessoria (foto acima) dos alunos Diogo Oliveira e Danilo Torres, do MBA de Gestão Estratégica de Empresas, para a elaboração de um projeto de captação de recursos. Como resultado de pesquisas de mercado e de pesquisas científicas, foi criado o Programa Sócio Torcedor, para que a “instituição não dependa de verbas públicas”, explica o aluno Diogo.

O Centro de Equoterapia Andaluz, por sua vez, que recebeu consultoria dos voluntários Alessandro Gois e Fabiano Bizinelli para elaborar seu planejamento estratégico, não perdeu tempo para iniciar alguns dos itens desenvolvidos e perceber os resultados positivos. As coordenadoras Ana Carolina Matos e Viviane Miara ficaram satisfeitas com o trabalho dos alunos. E eles também: “É uma oportunidade para desenvolvimento pessoal e profissional, ao possibilitar aprimoramento de habilidades gerenciais e trabalho com técnicas e ferramentas de gestão. Foi ótimo ter esse contato com o terceiro setor, conhecendo mais essa forma de trabalho voltada para interesses sociais. A apreciação à dedicação da instituição às crianças e adolescentes com deficiência fortalece a sensação de cidadania e pertencimento à sociedade”, comenta o voluntário Fabio.

Dois anos de assessoria

Um dos trabalhos mais emblemáticos finalizados recentemente pelos alunos do ISAE foi a assessoria prestada para a Associação Beneficente Encontro com Deus. Iniciado no final de 2011, o projeto levou dois anos para ser concluído – não só pela sua complexidade, mas também pelas mudanças de voluntários ao longo do tempo.  Os voluntários e os representantes da ONG ressaltaram que o foco nos resultados foi a inspiração essencial para não desistir dos projetos (foram feitos o planejamento estratégico e a revisão da gestão administrativa e da gestão operacional). Resultado bom para ambas as partes: “Foi uma grande experiência de conhecimento”, resumiu a aluna Roberta Lopez. “A definição do modelo de atendimento ideal trouxe clareza e visibilidade à estrutura da organização e seus serviços, foi muito positivo”, completou Patrick Reason, diretor da Encontro com Deus.

Canvas, bazar e gestão financeira

O diagnóstico que os alunos Fernanda Okabe e Ulisses Alves, do curso de Gerenciamento de Projetos, fizeram da Organização Brasileira de Apoio aos Portadores de Disfunção Neuromuscular (OBADIN), já foi, por si só, uma descoberta para a presidente da ONG, Patrícia Ferreira. Eles usaram a metodologia Business Model Canvas. “Foi muito positivo conhecer esta ferramenta, realizar um raio-x da entidade e observar as nossas lacunas”, disse ela. Mas o trabalho não foi só o diagnóstico. Os voluntários também mapearam e criaram o processo do serviço “Troca-Troca”, uma das principais atividades da instituição. Com isso, puderam observar várias oportunidades de melhora, que foram aplicadas no decorrer da assessoria. “Foi uma experiência muito boa. Conheci outras realidades e adquiri novos conhecimentos. É muito inspirador o engajamento das pessoas envolvidas com a ONG”, elogiou Ulisses.

Na Pró-Renal, o trabalho realizado pelas voluntárias Eloise Saad e Rafaela Baena também começou com um diagnóstico. A partir disso, elas apresentaram um plano para fortalecer a receita e a visibilidade do famoso bazar da instituição. “Serviu para refletir sobre nossa situação e sobre o que priorizar”, afirmou a coordenadora Cláudia Melo.

Já o Instituto Tibagi, por sua vez, foi beneficiado com orientações e capacitações para melhorar sua gestão financeira. A assessoria foi desenvolvida pelo aluno Diogo Tosto, do MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria, e, segundo a equipe da ONG, atendeu mais do que o esperado. “O trabalho desenvolvido nos ajudou a ver os resultados para a tomada de decisões estratégicas da gestão da organização”, explicou o presidente Édio Furlanetto. “Com o Diogo, aprendi a ter uma visão mais clara da nossa gestão financeira”, garantiu Rosângela Zanatta, gestora de projetos. 

                                                       

 

 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.