28/04/2011

Lixo de praia se transforma em arte sustentável

Pranchas velhas viram esculturas coloridas e já ganham o mundo

Depois de oito anos trabalhando como escrevente juramentada em Curitiba, Mara Moraes decidiu deixar o ritmo frenético para trás e se mudou para o Balneário de Guarapari, em Pontal do Paraná. Há quatro anos a artista plástica começou, por acaso, a reaproveitar os blocos de poliuretano de pranchas de surfe usadas.
 
As primeiras esculturas criadas foram mini-pranchas e bichos. Hoje, os objetos mais comuns são totens e carrancas, mas o tema das peças depende do astral da artista, que chegam a  ganhar tons de protesto ou surgem durante um sonho.
 
A matéria prima – o lixo deixado nas areias – é abundante. Além das pranchas velhas, as esculturas usam tampas de garrafas, anéis de lata de alumínio, entre outros. As peças, que levam cerca de cinco dias para ficar prontas, já participaram de mais de 30 exposições e foram parar em países como China, Japão e Nova Zelândia.
 
Clique aqui e confira a matéria do repórter Ciro Campos, para o Jornal Gazeta do Povo.
 
 
 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.