01/06/2016

Instituto GRPCOM participa do Intercom Regional Sul

Maior evento regional de comunicação teve como tema principal este ano “Comunicação e Educação entre Fronteiras: caminhos integrados para um mundo em transformação”

                                               

Na última semana, o Instituto GRPCOM teve a oportunidade de apresentar a estudantes e profissionais da área de comunicação o que tem feito em prol da educação no Paraná.

No evento paralelo ao Intercom – Regional Sul, realizado na quarta-feira (25) no auditório da RPC, a superintendente do Instituto GRPCOM, Ana Gabriela Simões Borges, ressaltou aos 40 professores universitários e graduandos presentes a importância da Educomunicação na atualidade.

A ocasião permitiu também uma apresentação do Ler e Pensar e Televisando, projetos de Educação desenvolvidos pelo IGRPCOM. “Falar sobre Comunicação e Educação – tema do Intercom deste ano – é sempre um prazer. A teoria é fascinante, a prática nos mostra que existem muitos caminhos para escolher e seguir, e os resultados dessa prática comprovam a importância da Educomunicação no século XXI. O público foi muito interativo e de uma energia contagiante. Adorei!”, observa Ana.

Já Elaine Tezza, representante do Instituto GRPCOM em Foz do Iguaçu e gestora do Televisando, viajou para Curitiba para ministrar a “Oficina de Educomunicação: Jornal, Rádio e TV na Prática”, na sexta-feira (27) no Laboratório de Comunicação (LABCOM) da PUCPR, para 15 participantes.

Na oficina, Elaine falou dos projetos de Educação desenvolvidos pelo Instituto e explicou o que é Educomunicação. Na sequência a turma foi dividida e cada um dos grupos recebeu instruções para a criação de materiais comunicacionais envolvendo o jornal, TV ou rádio escolar/comunitária, sempre tendo a Educomunicação como proposta pedagógica.

“Como coordenadora do Televisando, estou acostumada a falar com professores ou pessoas ligadas à educação. Na oficina o público era todo de comunicadores, o que tornou minha participação desafiadora, mas ao mesmo tempo prazerosa. É sempre bom interagir com públicos diferentes para ter outras percepções!”, reforça Tezza. “Avalio a experiência como muito positiva e pelos depoimentos imagino que todos gostaram de entender como aplicar na prática um conceito que parece um pouco complexo”, finaliza.