28/10/2010

Fiep lança cartilhas sobre impostos

Campanha pela reforma tributária lançada nesta quarta-feira (27) começa com a apresentação de materiais educativos

 

                                                                                                                                                                                                         Gilson Abreu/FIEP

 
*Com informações da Assessoria da FIEP 
 
A Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), através da Rede de Participação Política, lançou nesta quarta-feira (27) um movimento pela reforma tributária. O objetivo da entidade é conscientizar a população sobre o quanto ela paga de impostos e criar uma mobilização pela reforma. A primeira ação será a distribuição de 1,2 milhão de cartilhas sobre os impostos em todo o Estado.
 
A campanha apresenta a figura da “Sombra do Imposto”, que personifica a característica onipresente dos tributos. Além de ilustrar a cartilha, a Sombra do Imposto vai aparecer em peças na tevê, internet, jornais e revistas. O vice-presidente da Fiep, Edson Campagnolo (foto), explica que a primeira fase da campanha vai mostrar que todas as pessoas pagam impostos e que são esses recursos, recolhidos pelo governo, que sustentam os serviços públicos, como educação, saúde e segurança.
 
“A carga tributária, que hoje está em 40% do Produto Interno Bruto, pesa sobre todos, porque todos somos consumidores. E acho que o brasileiro está no limite do que ele pode pagar em impostos”, disse Campagnolo. Ele destacou que o momento é oportuno para o lançamento da campanha, por causa das eleições. “Os dois candidatos à Presidência se comprometeram em fazer uma reforma tributária. Agora precisamos ter certeza de que será a reforma que a sociedade quer, o que só será possível se toda a sociedade for envolvida”, completou.
 
Além da cartilha e da campanha de mídia, o movimento iniciado pela Fiep levará palestras para empresas e escolas nas quais será mostrado o funcionamento do sistema tributário brasileiro. A campanha já conta com o apoio de diversas instituições, como Sesi, Senai, Faciap, Crea, Corecon, ACP, OAB, Cifal, IPD, IBQP e Gazeta do Povo, entre outras. “Em 2011, também devemos formar com a Confederação Nacional da Indústria e outras federações industriais um movimento nacional pelas reformas, entre elas a tributária”, afirmou Campagnolo.
 
A cartilha que começa a ser distribuída pela Fiep traz exemplos de quanto é pago em impostos nas compras do supermercado e contas de serviços essenciais, como energia elétrica e água. Ela também detalha como é o gasto público no Brasil e aponta algumas deficiências na gestão dos recursos pelos governos.
 
Na opinião de Campagnolo, um dos aspectos que chamam a atenção é que as contas do governo não fecham, o que o obriga a buscar recursos no mercado. “Hoje, 12% dos gastos do setor público brasileiro são com juros da dívida”, alertou, destacando que a gestão dos recursos públicos precisa ser feita com transparência.
 
Reforma
 
O vice-presidente da Fiep argumentou que o próximo governo terá uma boa oportunidade de encaminhar uma reforma tributária para o Congresso em seu primeiro ano de exercício. Para ele, a experiência do País durante a crise econômica, quando foram reduzidos impostos para manter o consumo em alta, mostra que o governo tem condições de baixar a carga tributária sem colocar em risco sua arrecadação.
 
“O governo precisa demonstrar vontade política. Não queremos pacotes ou benesses para este ou aquele setor, mas uma reforma que reduza e simplifique os impostos para todos”, defendeu. Segundo ele, esse processo fortaleceria o mercado interno ao aumentar o poder de consumo da população e elevaria a competitividade da indústria nacional, que enfrenta a forte concorrência que vem da Ásia. “Do jeito que está a nossa carga tributária, os chineses dão risada, porque fica muito mais fácil para os produtos deles entrarem aqui.”
 
 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.