10/05/2011

Ex-detentos têm dificuldades para conseguir emprego no Brasil

Projeto criado pelo governo para estimular contratação não preencheu nenhuma vaga no Paraná

Em 2009, o Conselho Nacional e Justiça (CNJ) criou o programa Começar de Novo, que disponibiliza vagas de emprego para presos e ex-detentos. Mas, desde que foi lançado, das 2.848 vagas oferecidas apenas 445 foram aproveitadas, o equivalente a 15% das vagas. As parcerias para a criação de vagas, capacitação dos detentos e encaminhamento dos presos para as oportunidades ficou sob a responsabilidade dos tribunais e juízes.
 
No Paraná, e em outros dez estados, nenhuma vaga chegou a ser preenchida. Especialistas apontam como obstáculos a forma de divulgação das vagas – apenas pela internet; a falta de qualificação dos detentos, já que os presídios não têm condições de manter oficinas de trabalho; o preconceito por parte de alguns empresários e a falta de empenho dos governos para a inclusão de ex-presos na sociedade.
 
O Departamento Penitenciário do Paraná tem facilitado a entrada dos detentos no mercado de trabalho,mantendo contato com empresários e buscando patrocínio para a formação dos detentos. Dos quase 10 mil ex-detentos acompanhados, mais de 7 mil conseguiram voltar a trabalhar após deixar os presídios.
 
Clique aqui para conferir a reportagem de Ismael de Freitas para o Jornal Gazeta do Povo.
 
 
 
 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.