22/05/2012

Design Social motiva estudantes da UFPR

Universitários apresentaram propostas de Design a instituições de Curitiba

O papel mostra os traços à mão livre, contornos inovadores, retas horizontais, verticais e diagonais que desenham cuidadosamente o perfil da instituição. Depois vêm as ideias, propostas ousadas por vezes, mas que refletem o verdadeiro sentido do Design: combinar fatores de tecnologia e negócio à vontade do usuário, moldados a causas sociais.

A partir dessa proposta, os alunos do terceiro ano do curso de Design da Universidade Federal do Paraná (UFPR), orientados pelo professor Ken Fonseca, buscaram ONG’s sugeridas pelo projeto Serviços e Cidadania do IGRPCOM a fim de apontar melhorias e buscar possíveis ideias de acordo com o perfil e as peculiaridades de cada uma. Diferente do projeto Serviços e Cidadania, a proposta do professor é exclusivamente estimular o primeiro contato do Designer com a causa social e não à prestação de serviços. Após esse primeiro contato, a partir do momento que surgir identificação e afinidade entre ONG e aluno, o trabalho inicia voluntariamente.

Em um turbilhão de ideias, os trabalhos foram uma proposta do aluno para a ONG. Além de a instituição conhecer um pouquinho mais sobre o trabalho do designer, ela teve a oportunidade de analisar algumas questões antes não percebidas. “Fiquei maravilhada com a proposta e ideias do grupo. Antes de me surpreender com o resultado final, já achei incrível o interesse em conhecer a causa social e a realidade das instituições”, afirmou Tânia Gomez, presidente da Humsol, ao se levantar para parabenizar os estudantes e professor. Tal proposta, por exemplo, foi desenvolvida pelos estudantes Laís, Juliano e Marina com a finalidade de alertar a mulher para o dia do autoexame, na prevenção contra o câncer de mama.

As ideias abordaram diferentes conceitos traduzidos em um leque de possibilidades na área de Design. Ideias para melhorar o ambiente familiar por meio da comunicação indireta no painel de arame; interagir com crianças através do PIXLUZ com jogo de sombras; estimular o trabalho em equipe e divulgar a ONG com o painel interativo; potencializar projetos já existentes e proporcionar aconchego ao ambiente no Projeto Lã Zina; compartilhar histórias no estereoscópio; conforto e divulgação da ONG no cobertor cabana; bolsas personalizadas e inovadoras; rede de serviços que envolve o salgado e a embalagem. “Percebi a importância de conhecer os valores da ONG para desenvolver uma ideia”, complementa a universitária Maria Manuela.
 
Para o professor Ken Fonseca, essa atividade faz parte do processo de aprendizagem. “O estudante deve experimentar uma série de casos para criar afinidade e escolher com o que vai trabalhar, um deles é o Design Social. Não trabalhamos com produtos e sim com apontamentos de possibilidades”, concluiu o professor.
 

Juliano, Tânia e Laís com Mamalerta, Humsol 

Raquel, Sandra, Isadora, Kellen e Rafaela com painel interativo para Instituto Família Brasil

Equipe PIXLUZ, produto que trabalha com jogo de sombras e desenhos

Bruno, Thaissa e Isabela, equipe PIXLUZ com trabalho de desenhos e sombras

Projeto Lã Zina com Rodrigo, Carolina, Tereza Beatriz e Pedro em proposta para Associação Paranaense de Terapia Familiar

Tatiemi, Marcio e Renata com bolsas inovadoras

Rodrigo, Christian e Rodrigo desenvolveram a ideia da rede de serviços com a ONG e parceiros

Daniel e Tiago com o Estereoscópio, produto que incita compartilhar histórias entre as crianças

Futuros designers da UFPR com professor Ken Fonseca

 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.