31/05/2010

Cigarro mata por ano mais de 5 milhões de pessoas

Um em cada três adultos fuma cigarro em todo o mundo. Dados da OMS apontam crescimento do tabagismo entre as mulheres.

Hoje é o Dia Mundial sem Tabaco. Num exercício rápido, se em média cada fumante consome um maço de cigarro por dia, e se nenhum cigarro for consumido no dia de hoje, 1 milhão e 200 mil maços de cigarro deixariam de poluir o mundo e, o que é pior, prejudicar a saúde de milhões de pessoas. Os dados da Organização Mundial de Saúde mostram que, apesar das campanhas anti-fumo e das leis cada vez mais comuns para dificultar o consumo, o número de fumantes não diminui tanto quanto o desejado – principalmente entre as mulheres.
 
As informações são preocupantes. No Brasil, de acordo com estatísticas do Instituto Nacional do Câncer (INCA), 40% das mortes de mulheres com menos de 65 anos são causadas pelo consumo de tabaco. (A reportagem publicada ontem no jornal Gazeta do Povo traz mais informações – clique aqui para ver). O número de pessoas que fumam cigarro no país chega a 24,6 milhões. Entre os adolescentes brasileiros, 61% dos fumantes são meninas.
 
Os males do cigarro são diversos, conhecidos do grande público, principalmente os que têm acesso a cultura e aos meios de informação – assim, não por acaso, a maior incidência de fumantes, cada vez mais, está entre as pessoas de baixa renda. Além disso, quem fuma tem a pele opaca, mais flácida e com rugas mais profundas, principalmente ao redor dos olhos e dos lábios. Uma reportagem do Jornal Hoje, da Rede Globo, apresentou a simulação feita por cientistas de um instituto de combate ao câncer dos Estados Unidos, mostrando o que acontece com a aparência de quem fuma. A página do Jornal Hoje tem ainda um teste para identificar o grau de dependência do cigarro. (Clique aqui para acessar).
 
Finalmente, cabe lembrar que o cigarro ainda prejudica o meio-ambiente. Anualmente, mais de 4,5 trilhões de bitucas são descartadas para se tornar elemento recorrente no lixo, demorando de 10 a 15 anos para se decompor. Pensando nisso, há quem desenvolva alternativas “verdes” para quem quer fumar, opções biodegradáveis para, por exemplo, o filtro do cigarro (veja no artigo da Revista Super Interessante).
 
Para quem se interessa por questões ligadas ao combate ao tabagismo, a página da Aliança de Controle do Tabagismo tem várias informações. Acesse: http://actbr.org.br/.