04/11/2013

Aldeia Casa Feliz ganha novo site

Parceiro do projeto Serviços e Cidadania, o voluntário Wellington Pereira da Silva fez o desenvolvimento do site

Na foto, Maria Antonieta ao meio, Wellington à esquerda e Heverson Akira Tamashiro, parceiro da ONG que também acompanhou o projeto do site.O Centro de Atendimento para Jovens e Adultos Especiais (CAJAE), ONG mantenedora da Aldeia Casa Feliz, tem agora um novo site para divulgar e expandir o trabalho que realiza com pessoas autistas. A criação do novo canal de comunicação foi possível com o apoio do projeto Serviços e Cidadania que intermediou a parceria entre o voluntário Wellington Pereira da Silva e a ONG. Wellington, que é web designer, cadastrou-se no projeto por meio do espaço de Classificados Sociais, doando a criação de um site para instituições do terceiro setor.

De acordo com a presidente da ONG, Maria Antonieta Miranda, que acompanhou todo o processo, a criação do site era uma demanda importante para a instituição divulgar seu trabalho e conquistar mais parceiros para a causa. “Só temos a destacar pontos positivos. Foi uma parceria maravilhosa com entrosamento em todos os sentidos. O voluntário foi um grande profissional na execução de site e demonstrou sempre muito interesse em nos ajudar a ter uma ferramenta que proporcionasse a melhor divulgação do nosso trabalho”, avalia Maria Antonieta.

A parceria não trouxe retorno apenas para a ONG. Wellington conta que para criar o site pesquisou sobre o autismo e procurou entender a importância da causa defendida pela ONG. “Eu não sabia de fato o que era o autismo. Tinha uma visão genérica. Com esse trabalho, além de adquirir conhecimento sobre os autistas, aprendi a amá-los”, destaca o voluntário.

Morador de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba, Wellington e a presidente da ONG fizeram algumas reuniões presenciais em Curitiba, mas a maioria das trocas de informações foi feita pela internet. “Facilitou toda a dinâmica do trabalho”, ressaltam. Segundo Wellington, foram 40 horas de trabalho no total, o que custaria à ONG cerca de R$800 se tivesse que pagar o profissional.

O site já está no ar e pode ser acessado clicando aqui ou pelo endereço www.autismoaldeiacasafeliz.org.br.

Na foto, Maria Antonieta ao meio, Wellington à esquerda e Heverson Akira Tamashiro, parceiro da ONG que também acompanhou o projeto do site.

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.