28/07/2010

A questão do lixo atinge um dos principais pontos turísticos de Curitiba

Parque Tanguá, em Curitiba, assim como outros da capital, convive com a sujeira deixada por moradores e turistas

O post de ontem (27/07) do blog Giro Sustentável, do Instituto RPC, repercutiu a reportagem de domingo, do Fantástico, sobre o lixo no Havaí. A situação, denunciada pelo barco ambientalista Plastik, é aterrorizante: 70% do lixo dos mares é composto por plástico, o que provoca a formação de verdadeiras sopas de lixo em algumas regiões do planeta, como a em que se encontra o arquipélago conhecido pelas ondas do surf.
 
“Por ali, uma praia concorre ao título de ‘a mais suja do mundo’, por causa do lixo trazido pelas correntes marítimas. São sacolas, escovas de dente, garrafas, bolas de golfe, brinquedos, anzóis, isqueiros, bastões de cola escolar. Tudo feito de plástico, boa parte encontrada no meio dos corpos em decomposição dos animais que habitam o ecossistema da região”, publicou o blog.  
 
Engana-se quem pensa que este problema é distante. Todos são co-responsáveis pelo lixo do mundo. Além disso, o fato é que também no Brasil, também no Paraná, também em Curitiba há ecossistemas muito prejudicados pela poluição. Os parques da capital paranaense, por exemplo, costumam ter áreas bem preservadas e mantidas para que turistas possam ver e admirar; mas alguns, como o Tanguá, têm também espaços de se lamentar, onde a sujeira simplesmente toma conta. Fruto da falta de conscientização de todos.
 
Assista abaixo à reportagem de Odilon Araújo e Clayton Taborda, para o Bom Dia Paraná:
 

 

 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.