08/12/2010

A Gazeta do Povo me levou às Olimpíadas

Atividades desenvolvidas por professoras da Escola Municipal Prof. Mario Flores, em São José dos Pinhais, promovem a leitura, interpretação e produção de textos com expressivos resultados na vida dos alunos

 
O planejamento de aulas das professoras Heleni de Barros e Márcia Linhares Meyer, ambas da 4.ª série da Escola Municipal Professor Mário Flores, em São José dos Pinhais, não costumava envolver o jornal. Até que participaram de cursos promovidos pelo Ler e Pensar. “Fiz o curso de Contação de Histórias com o jornal e vi que seria interessante relacionar a prática à disciplina de História”, conta a professora Márcia. A professora Heleni concorda: “Diversifiquei minhas práticas e percebi como o interesse dos alunos ia crescendo na medida em que utilizávamos o jornal”, lembra Heleni, afirmando que agora vai além da interpretação de textos com os alunos.
 
O planejamento de aulas em conjunto e a participação das duas professoras nos cursos possibilitou que as atividades fossem desenvolvidas de forma paralela e os resultados pudessem ser comparados. Uma das iniciativas que mais trouxe resultados foi o guia para interpretação de notícias apresentado pelo projeto. “Com as perguntas como o que aconteceu, com quem e quando, os alunos tinham um mapa mental que os apoiava na hora de contar aos alunos a notícia que tinha lido”, explica Márcia. O mapa mental trouxe um resultado muito significativo: “Todos os alunos se envolveram, mesmo aqueles que tinham dificuldade” afirma Heleni.
 
Mesmo atuando em turmas diferentes, muitos resultados conquistados são semelhantes. “Antes os alunos tinham dificuldade em interpretação de textos, desenvolvimento do raciocínio lógico e relação com temas da atualidade. O jornal, além de desenvolver os alunos nesses temas, também contribui para que eles trabalhem melhor em grupo, aprendendo a respeitar os colegas”, defende Heleni.
 
A professora Márcia concorda e explica um outro diferencial do jornal. “Por trabalharmos com temas da atualidade, os alunos relacionam os textos com sua realidade e levam para casa as discussões promovidas em sala de aula. Assim, os pais participam e nos parabenizam pelas ações”, argumenta Márcia. A professora lembra, com carinho, de uma carta recebida por uma mãe. “Minha aluna foi selecionada pela Olimpíada Municipal de Língua Portuguesa, com um poema que ela escreveu. A mãe me mandou um recado agradecendo as atividades e atribuindo à leitura e interpretação de textos com o jornal o bom desempenho da filha”, conta. Além disso, Márcia explica que o jornal possibilita que os alunos conheçam melhor sua realidade e projetem seu futuro. “É surpreendente a relação que os alunos fazem dos textos lidos no jornal com suas vidas e seu futuro e tenho resultados, inclusive, na diminuição da indisciplina em minha turma”, justifica.
 
Heleni também se surpreendeu com o jornal em sala de aula. “É incrível o interesse dos alunos pelas aulas com o jornal e os resultados que ele traz na vida dos alunos, incentivando a compreensão de assuntos curriculares e estimulando a cidadania”, finaliza.
 
* Esta notícia foi publicada na edição nº 149 do Boletim de Leitura Orientada (BOLO), jornal quinzenal com sugestões para o uso pedagógico do jornal, direcionado aos professores participantes do projeto Ler e Pensar.
 
 

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.